Um Breve Comentário Sobre Racismo

Conceitos e categorias de pensamento pseudo-científicas, como a própria descrição já explica, não servem para descrever a realidade. O uso dessas categorias no mundo real terá apenas o possível efeito de distorcer a realidade, criando anomalias ou contradições, perceptíveis apenas por aqueles que não fazem uso daquela falsa categoria de pensamento.

Isto é exatamente o que vem acontecendo desde o século XIX com o uso de “raça”. Num primeiro momento, classificou-se os seres humanos biologicamente em raças. Em seguida, a ideia de raça “superior” e “inferior” surgiu, e as discriminações se seguiram. Algumas décadas depois, nos anos 50, seguiu-se a confusão entre “raças” e “culturas”, sendo o primeiro um conceito biológico pseudo-científico, e o segundo um conceito muito bem estabelecido e usado na sociologia e na antropologia.

Hoje, as tentativas de reparo aos preconceitos raciais do passado continuam a usar este mesmo conceito de “raça”. Essas tentativas continuarão a criar distorções no mundo real, de duas formas muito graves:

1) confusão desse conceito com a “cultura” de alguém ou de um povo. A biologia não determina a cultura, e nem vice-versa. Existem contingências por demais suficientes no mundo real para impedir essa determinação.

2) as políticas de reparo às discriminações raciais do passado permanecem usando o mesmo conceito pseudo-científico de raça. Contudo, desta vez, favorecem a “raça” anteriormente discriminada em detrimento da “raça” não discriminada. E isto recria novamente a discriminação.

Parafraseando Morgan Freeman, “parem de falar disso”. Se a categoria de raça não fizer mais parte do vocabulário e nem da cultura, a realidade será de fato descrita com conceitos verdadeiros, e os problemas reais surgirão com clareza na mente das pessoas. A permanência do uso de falsos conceitos na cultura é a garantia de que haverão ressentimentos nas tentativas de reparo dos erros ocorridos.

Políticas de discriminação por “raça” eram políticas baseadas no ódio. Já as políticas reparatórias baseadas em “raça”, são baseadas em ressentimento. Ressentimento esse não necessariamente a pessoas, mas à cultura. É preciso oferecer o perdão às pessoas que erram, redimi-las dos erros, como também é preciso redimir a cultura que permitiu tais erros.

Sobre Saulo Reis 33 Artigos
Diretor do Acrópole da Fé Cristã. Engenheiro de Computação por profissão; professor de Matemática por paixão; Teólogo por amor a Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*