“(…) cristãos motivados pela fé evangélica se tornam céticos, educados e defensores da democracia, entendendo, porém, que a solidariedade é de cunho pessoal, não estatal. Por conseguinte, esses cristãos serão críticos de um Estado que arrecada muito por meio de uma carga tributária pesada e que assume uma postura assistencialista, negando assim ao indivíduo a solidariedade que lhe compete. Além disso, tal arrecadação não apenas redunda em serviços públicos de qualidade insatisfatória para o cidadão, mas também se torna oportunidade para desvios de toda ordem e para a corrupção desenfreada.”[1]


Referências

[1] FERREIRA, Franklin; Contra a Idolatria do Estado: o papel do cristão na política (São Paulo: Vida Nova, 2016), p. 24.


Saulo Reis
Saulo Reis

Diretor do Acrópole da Fé Cristã. Engenheiro de Computação por profissão; professor de Matemática por paixão; Teólogo por amor a Deus.

    1 Response to "Franklin Ferreira, sobre a visão cristã de um estado assistencialista"

    • […] SI 82.1,6; Pv 8.15,16; Dn 2.20,21; 4.25; Jo 19.10,11; Rm 13:1,2; 1Pe.2.13,14.Teologicamente, a função do Estado é dupla: primeiro, o Estado é um instrumento de coerção para garantir a ordem e a harmonia […]

Leave a Reply

Your email address will not be published.