“(…) boa parte da maquinaria da vida moderna é simplesmente uma sanção a objetivos que contrariam o cristianismo, de que ela não é apenas hostil à perseguição consciente da vida cristã neste mundo por alguns indivíduos, mas à manutenção de qualquer sociedade cristã do mundo.
Devemos abandonar a noção de que o cristão deveria se contentar com a liberdade do culto e com o não sofrer quaisquer inabilidades jurídicas mundanas por conta de sua fé. Por mais fanática que essa declaração possa soar, o cristão não deve ficar satisfeito com nada menos do que uma organização cristã da sociedade — que não é o mesmo que uma sociedade consistindo exclusivamente com devotos cristãos. Tratar-se-ia de uma sociedade em que o fim natural do homem — a virtude e o bem-estar em comunidade — é reconhecido por todos, e o fim sobrenatural — a beatitude — por aqueles que têm olhos para vê-lo.”[1]


Referências

[1] ELIOT, T. S., Franklin; A Ideia de uma Sociedade Cristã: e outros escritos (São Paulo: É Realizações, 2016), pp. 72-73.


Saulo Reis
Saulo Reis

Diretor do Acrópole da Fé Cristã. Engenheiro de Computação por profissão; professor de Matemática por paixão; Teólogo por amor a Deus.

Leave a Reply

Your email address will not be published.