A Verdade Objetiva Supera os Sentimentos Subjetivos

Por que você é cristão? O que motiva a sua busca pela fé? Que razão você tem para acreditar no que você acredita?

Se você conversar com seus irmãos e irmãs em Cristo, sem dúvida ouvirá muitas histórias sobre as razões de cada pessoa afirmar ser cristã. Para muitas pessoas, foi uma experiência com Deus que primeiro as atraiu à fé. Talvez elas estivessem num momento difícil das suas vidas e sentiram que uma experiência com Deus foi a reviravolta que as puseram num caminho melhor. Talvez tenham experimentado o que acreditavam ser um milagre que as curou de uma doença ou que tenham superado algum vício.

Para outros, o Cristianismo oferece uma certa estrutura de vida. Deus oferece amor ou ajuda que muita gente talvez não tenha encontrado anteriormente em outro lugar. A Igreja oferece grande apoio social, um ambiente seguro para criar os filhos ou uma tradição reconfortante que experimentaram quando crianças. Ouvimos não-crentes falarem positivamente sobre o Cristianismo por muitas dessas razões. Embora rejeitassem as afirmações centrais do Cristianismo, eles acreditavam que a religião produzia boas pessoas e, portanto, era útil ainda que considerassem como ficção. É comum ouvir histórias de pessoas não-cristãs que foram criadas na igreja e como isso teria influenciado positivamente seu código moral. Também é comum ouvirmos pessoas não-cristãs que consideram voltar à igreja quando tiverem seus próprios filhos, alegando que não tem certeza de como ensiná-los uma boa moral sem alguma religião. Ainda que se considere o Cristianismo como ficção, ele ainda pode fazer algo muito positivo para seus adeptos.

Deus pode usar qualquer um desses métodos para nos alcançar e nos levar a ele. No entanto, Deus quer mais do que isso para nós. Em 1 Coríntios 15:12-19 (ARC), o apóstolo Paulo escreve:

Ora, se se prega que Cristo ressuscitou dos mortos, como dizem alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam. Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos. Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.

A Escritura parece clara: nossa fé só é importante se estiver baseada em eventos que realmente aconteceram. Se Cristo não ressuscitou dos mortos, estamos perdendo nosso tempo. Mesmo que o Cristianismo “funcione para nós”, se isso não for verdade, então somos “os mais miseráveis de todos os homens”.

Não vamos nos contentar em acreditar cegamente no Cristianismo. Em vez disso, precisamos ser incentivados a estudar as maiores afirmações das Escrituras e investigar se elas são de fato verdadeiras. Não precisamos ter medo do que vamos descobrir nesse processo, pois as Escrituras ensinam que a verdade é o objetivo mais elevado em qualquer investigação. O apóstolo Paulo ensinou que, se descobríssemos que as afirmações cristãs não eram verdadeiras, nossa postura seria deixá-las para trás.

Devemos ter confiança de que o cristianismo é verdadeiro, não simplesmente porque suas afirmações “funcionam”, mas sim porque passamos a estudar e investigar suas afirmações e descobrir nesse processo que há boas razões para acreditar que elas sejam verdadeiras. Conhecer a verdade nos ajuda muito no nosso relacionamento com Deus. No entanto, há dias em que o cristianismo não parece “funcionar” para nós. Há certas épocas das nossas vidas em que lutamos para ser obediente aos mandamentos de Deus, épocas em que não queremos desistir dos nossos planos de passar um tempo servindo a Ele, e também há épocas em que desconfio que o relacionamento que tenho com algumas pessoas ao meu redor iria melhorar se eu não fosse cristão. Mas a verdade cristã me impede de seguir meu próprio coração. Quer eu goste ou não, a qualquer momento, os ensinamentos das Escrituras são verdadeiros. Existe de fato um Deus que deseja se relacionar comigo e me chama a viver de um modo particular.

Em última análise, independente de como começamos a acreditar, ou independente das coisas que nos impeçam de acreditar, no final do dia é a verdade que realmente importa. É esse fato que deve nos motivar em nossa busca e no estudo da apologética. Precisamos conhecer não apenas o que a Escritura ensina, mas também por que devo confiar e acreditar que as Escrituras são verdadeiras para começo de conversa.


Texto traduzido e adaptado do original, acessível neste link.

Sobre Saulo Reis 39 Artigos
Diretor do Acrópole da Fé Cristã. Engenheiro de Computação por profissão; professor de Matemática por paixão; Teólogo por amor a Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*